A história da APFA se confunde com a história do Caipira Bowl. No ano de 2010 a equipe Piracicaba Cane Cutters e as extintas equipes Barretos Carcarás, Lençóis Paulista Hawks, Avaré Mustangs e CAASO Warthogs juntaram forças para criar a primeira competição de flag football do interior do estado de São Paulo.

O idealizador do projeto, Marco Bucci, trouxera para o interior uma proposta diferente daquela que reinava na competição disputada na grande São Paulo organizada pela extinta LPFA. Ao invés de concentrar todos os jogos num mesmo local, tornando a disputa da competição inviável para qualquer equipe de fora da região metropolitana da capital paulista, a proposta do Caipira Bowl foi a de fazer rodadas-eventos itinerárias com o intuito de popularizar e desenvolver a prática da modalidade no interior do estado. Cada cidade representada por uma equipe recebeu uma rodada da competição com todas as equipes participantes jogando no mesmo dia.

A fórmula foi um sucesso. Apesar de um primeiro ano com poucas equipes, as rodadas atraíram um público além do esperado em todas as cidades, culminando numa final na cidade de Avaré disputada num estádio com presença de mais de 1000 pessoas e cobertura da televisão local.

O sucesso da organização atraiu o interesse de diversas equipes da capital que preteriram o Caipira Bowl à desorganização da competição da capital paulista, fazendo com que o número de equipes aumentasse na edição de 2011. Com a entrada das equipes da cidade de São Paulo, a organização da competição passou a se chamar Associação Pró-Futebol Americano e o Caipira Bowl passou a ser a conferência do interior do Campeonato Paulista de Flag.

Contrastando o modelo adotado em São Paulo onde as equipes apenas se preocupavam em jogar em locais não necessariamente perto de torcedores, o então Diretor Geral da associação, Marco Bucci, defendeu a prerrogativa de que as equipes deveriam ser as organizadoras da competição, e não uma federação. Desta forma, ao “forçar” as equipes a organizarem eventos em suas praças, a filosofia da APFA contribuiu diretamente para a popularização do esporte em todo o estado e na evolução qualitativa (e posteriormente quantitativa) das equipes.

Em 2012 a APFA abraçou todas as equipes do estado e a competição só cresceu desde então. Mais e mais equipes apareceram em função da popularização do esporte tanto pelo sucesso das transmissões da NFL nas emissoras de tv fechada, quanto pelo trabalho de levar o esporte à diferentes praças realizado pela APFA. Partidas em estádios pelo interior de São Paulo e públicos grandes para a modalidade passaram a ser corriqueiros. Desde então, a Associação Pró-Futebol Americano virou referência em organização de eventos de flag football e sua presença na imprensa passou a ser assunto cotidiano.

Nos anos seguintes, diversas equipes começaram a colher os frutos deste esforço coletivo, conseguindo apoio direto de suas respectivas prefeituras. O futebol americano em sua versão adaptada caiu no gosto da população e o Campeonato Paulista de Flag passou a ser um evento permanente na agenda esportiva do estado de São Paulo.